//
you're reading...
Opinião, Política, Sociedade

É a pandemia, estúpido


Foto: Adailton Damasceno/Estadão Conteúdo (26.mai.2020)

Após mais de 2 meses de “quarentena” creio que seja seguro dizer que o governo federal brasileiro falhou no controle da pandemia do corona vírus.

E por que digo que o governo central falhou e não os governos estaduais ou municipais? E por que isto importa?

Bem, para ser honesto, todos falharam…em todos os níveis, inclusive eu e você, leitor.

Mas cada um tem a sua parcela de culpa de acordo com a sua responsabilidade e o governo central é por desventura o detentor da maior parcela, visto que é também o detentor do poder de implementar as medidas necessárias, no momento em que elas se fazem necessárias.

O que não foi feito…

Pelo contrário, o governo decidiu atacar as medidas de controle da pandemia implementadas pelos governos estaduais e municipais (mal implementadas, é verdade…) e focar em medidas não confiáveis e ações descabidas de qualquer razão.

E porque? Segundo o governo, por que a queda da economia irá trazer um impacto mais profundo ao país do que o corona vírus…

Então, o foco do governo era salvar economia, certo?

Errado.

O foco do presidente e por consequência, do governo é a sua reeleição. E por isto temos os acordos com o centrão, a distribuição de cargos, o combate as medidas de controle da pandemia, a demissão de dois ministros da saúde em menos de 30 dias, a negação da ciência, a manipulação dos dados sobre a doença, o combate a mídia, o apoio a protestos irracionais…a lista contínua…

Caso o foco do governo fosse realmente salvar a economia, ele teria criado um plano nacional de suporte a pequenas-médias empresas com ações de financiamento direto, sem a necessidade de envolver bancos privados (afinal o risco é gigante e os bancos irão considerá-lo em suas análises de crédito, é a obrigação deles com seus investidores enquanto instituições privadas, mas no fim, isto joga contra a pequena empresa e obviamente joga contra a economia).
Se o foco do governo fosse salvar a economia, ele teria notado que o problema inicial enfrentado era de demanda, e neste caso, ele teria implementado políticas efetivas de manutenção de renda para os brasileiros mais afetados (e não os R$ 600,00, que nem chegaram a maioria das pessoas necessitadas), políticas de garantia de empregos para os trabalhadores (como fez a Alemanha) e implementado serviços de logística para garantir a cadeia produtiva.

Se o governo pensasse realmente na economia, ele teria utilizado ferramentas de análise de dados que atestariam que um lockdown nacional em meados de Fevereiro, juntamente com um controle de fronteira sério, somado a centralização de fundos para compra de recursos para o combate a pandemia, a distribuição destes frente as necessidades pontuais de cada região e a implementação de um programa nacional de testes de detecção da doença em massa nos teria permitido sair da parte mais aguda da crise em um período entre 45-70 dias…Algo entre o final de Abril e meados de Maio.


Caso o leitor duvide disto, sugiro que faça o download dos dados da World Health Organization e do John Hopkins Center for Infectious Disease e verifique por si mesmo (são dados públicos), como a nossa curva de infecção em meados de Março se parecia muito com a dos outros países, como Coreia do Sul, China, Espanha e Itália… E então compare os períodos de implementação de lockdown e testes de detecção de Covid-19 em massa executados nestes países contra as medidas implementadas no Brasil e verifique a consequente mudança no comportamento das taxas de infecção.

Caso o leitor não queira fazer esta análise, eu adicionei um gráfico resultante da minha análise que mostra a diferença entre as estratégias logo abaixo.

Este gráfico (gerado na data da publicação do post) apresenta os números consolidados pelo governo (nem são os dados reais, pois obviamente temos casos de sub-notificação) e quando comparado com os dados oficiais de outros governos, podemos ver que os que fizeram lockdown e implementaram medidas de controle e testes apresentam uma curva similar no período de mais ou menos 90 dias.

Note como países como a Alemanha, a Coréia do Sul, a Itália e a Espanha tem curvas similares (escalas diferentes, claro, devido as ações pré-lockdown ou quão tardiamente este lockdown foi feito).

E na sequência olhe as curvas de países como o Brasil e a Suécia, que não tomaram nenhuma medida de controle e veja a diferença na curva de crescimento (muito mais acentuada) e que está ainda parece longe de atingir o pico (não existe uma tendência de achatamento).

undefined

Assustador, não?

Por isto digo que se o governo estivesse realmente focado em minimizar o impacto econômico causado pela pandemia, ele teria focado em controlá-la no menor tempo possível e isto significa que ele teria feito exatamente o contrário do que fez e ainda está fazendo.

Mas para isto, precisaríamos ter um presidente com os requisitos necessários para o cargo. Alguém com capacidades de liderança, de inspirar outros, de unificar a sociedade, de lidar com as inevitáveis críticas, de aceitar erros, de delegar e aceitar que outros tem mais conhecimentos e capacidades técnicas que ele, de buscar soluções externas, de colaborar com os demais. De tomar decisões difíceis sabendo que existirão consequências duras. E que ele será responsabilizado por elas.

Um presidente de verdade, sabe que este é um cenário que se não se pode vencer. Apenas minimizar o impacto da derrota.
E que talvez, suas decisões lhe custassem a reeleição. Mas ainda assim, ele faria o que é melhor para o país.

Não é o caso…obviamente.

Ao contrário, este presidente entregou o país ao acaso (não que não já estivéssemos largados antes, mas espero que o leitor se recorde que a eleição dele foi supostamente para “resolver tudo isto que esta aí”) e que durante tamanha crise, o que ele está fazendo? Campanha política…E olha que ainda nem chegamos a metade do seu mandato. Ele procura inimigos onde não existem (na ciência, por exemplo) e toma ações baseada no achismo de quem nem ao menos é da área da saúde…E claramente, foge de sua responsabilidade, jogando-a sobre outros. Como diz Hommer Simpson- “Se a culpa é minha, então eu a ponho em quem em quiser.”


Nosso presidente acreditou na frase de “James Carville” – “É a economia estúpido” e apostou todas as suas fichas incorretamente que manter a economia aberta a qualquer custo, minimizando os impactos causados pela doença (inclusive minimizando as milhares de mortes, mas aí é caso para psicólogos e psiquiatras) seria a solução…Mas a óbvia resposta (e nem é o caso de fazermos uma análise histórica do que poderia ter sido feito) seria simplesmente ter ouvido os especialistas e analisado os dados existentes na época, implementado um plano nacional de lockdown que impedisse o esgotamento dos sistemas de saúde, garantisse a continuidade do processo de oferta-demanda de serviços e produtos através da criação de planos de assistência e suporte aos mais impactados e necessitados e oferecesse garantia de empregos e continuidade as empresas.

Haveria um custo alto econômico a ser pago? Claro!
Ainda perderíamos vidas? Sim, infelizmente.
O Carnaval seria cancelado? Com certeza.

Mas, tudo seria em uma escala muito menor e menos caótica. E a economia sofreria muito menos. E você, caro leitor, por consequência também sofreria muito menos.

Afinal, talvez você estivesse lendo este post tomando café na sua padaria preferida…(de máscara, claro).

Então, vou parafrasear James Carville aqui e dizer – “É a pandemia, estúpido”


Mas é necessário dizer que este bizarro cenário anárquico-facista-ditatorial-pandêmico que vivemos atualmente é apenas o resultado de uma sociedade que em boa parte não acredita em planejamento e estudos, em planos e ações de longo prazo, em se organizar para debater soluções para problemas complexos e que busca respostas imediatas e milagrosas para seus enormes problemas históricos, normalmente propostas por malfadados Messias.

E sim, governos estaduais e municipais tem responsabilidade…Mas, lhes pergunto…Quão efetivo seria um lockdown no sul se o norte estive aberto e vice e versa? Nada eficiente, pois assim que uma região fechada reabrisse, a própria movimentação entre regiões faria o vírus se espalhar novamente.
Achar que os estados e municípios poderiam ter controlado a pandemia é jogar a culpa em quem não a merece. Eles são sim responsáveis pelos casos de corrupção na compra de aparelhos, no superfaturamento nos hospitais de campanha, nas equivocadas decisões de lockdown tomadas, no não cancelamento do Carnaval, entre outras coisas…
Mas, é importante ressaltar que sem estas mesmas decisões equivocadas, estaríamos em cenário muito pior hoje, devido a inação do governo federal.

E a responsabilidade pela crise continua a ser distribuída…

Ela é do PT e do Lula por não terem tido a capacidade de reconhecer seus erros e atos corruptos e pedir desculpas, especificamente do sr. Lula por não ter aceitado que seria melhor apoiar um candidato mais moderado e perder a primazia da esquerda, do que apoiar um poste como candidato, apostando no quanto pior melhor. E claro, do sr. Lula novamente por ter achado que colocar a Dilma no poder lhe permitiria continuar governando. Por não ter um projeto de país, e sim, apenas um projeto de se locupletar no poder.

A culpa é dos radicais de esquerda e direita que não entendem que são apenas faces da mesma moeda. Ela é de parte da imprensa que se recusa a notificar os mal feitos dos governos Lula e Dilma (a esquerda apoiar o Kadafi e o Maduro, pode???)

É do tal “eleitor brasileiro” que conseguiu colocar no segundo turno os dois piores candidatos possíveis (excluindo as óbvias aberrações) e excluiu qualquer candidato moderado da disputa.

É das pessoas que podem e se recusam a ficar em casa na quarenta porque estão entediados. É das pessoas que se recusam a pagar a sua empregada para que fique em casa e a obrigam a ir trabalhar.

É dos loucos que fazem festas, passeatas e churrascos em lanchas durante uma pandemia.

É dos que assistem a tudo isto incrédulos, mas que nada fazem para jogar luz nas trevas.

É de todos nós.

E por isto, nosso resultado atual é este

undefined

Tenha um bom dia.

About Alexandre Cezar

A 40 years old Brazilian guy, married and happy. Looking to share ideas, discuss and improve them for who knows make this world a better one.

Discussion

No comments yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

June 2020
M T W T F S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Insira seu endereço de email para receber atualizações do Blog automaticamente por email.

Join 19 other followers

%d bloggers like this: